Marcação Consulta
Notícia
5 Mitos e factos sobre vacinação
2015-06-09
5 Mitos e factos sobre vacinação

1)Mito: "As vacinas são importantes nos cachorros. O meu animal é adulto, portanto já não precisa ser vacinado"

Facto: A Primovacinação (as primeiras vacinas) é fundamental nos cachorros para proteção contra algumas viroses muito frequentes nestas idades, a parvovirose e a esgana.  No entanto, estas podem também ocorrer em adultos, manifestando-se por vezes de uma forma ainda mais violenta. Além da proteção contra estas viroses, a vacinação dos cachorros e adultos é também contra outras doenças, igualmente comuns e frequentes, algumas delas inclusivamente transmissíveis aos humanos (exº a leptospirose)

2) Mito: "Como sei administrar injeções ao meu animal não é necessário ir a um centro veterinário para fazer a vacinação. Posso comprá-la e administrá-la em casa"
Facto: O acto médico da vacinação vai muito além da administração de uma injeção. Implica que seja feito um exame clínico detalhado que permite avaliar se o animal está em condições de saúde para que lhe seja administrado um produto biológico que vai interferir com o seu sistema imunitário. Além disso não é incomum que após a vacinação surjam reações adversas, por vezes graves que requerem uma intervenção médica e medicamentosa imediata, que apenas pode ser garantida se o animal estiver num centro médico-veterinário (consultório, clínica ou Hospital)

3) Mito: "O meu gato não é vacinado porque vive exclusivamente em casa"

Facto: Se isto é bem verdade para algumas doenças dos gatos (exº Imunodeficiência felina ou Leucemia felina), já não é bem assim para outras igualmente contagiosas e perigosas, como a Coriza ou a Panleucopénia, uma vez que os agentes infecciosos podem ser transportados por nós para o interior da nossa casa, nos nossos sapatos, roupa e mãos. O seu veterinário poderá adaptar o plano vacinal que melhor se adapta ao seu felino.

4) Mito: "A vacina da raiva é a mais importante, porque é a única obrigatória"

Facto: Esta vacina é de facto importante. Apesar de não haver casos de raiva reportados nos últimos tempos no nosso país, ocasionalmente surgem surtos da doença, principalmente trazidos por animais que provêm de países onde a doença ainda é muito frequente. Além disso, não é claro que no nosso país não possa haver casos de raiva entre a população de mamíferos silvestres (exº raposas, morcegos). No entanto, as outras doenças para as quais se vacinam os cães (exº parvovirose, esgana, tosse do canil, leptospirose)  ou os gatos (exº Coriza e Leucemia) são contagiosas ,  potencialmente fatais e, acima de tudo, muitíssimo frequentes, pelo que nunca devemos descurar o programa de vacinação recomendado.

5) Mito: Os programas de vacinação variam em função da espécie, isto é, existe um plano vacinal para cães e outro para gatos

Facto: Esta é, talvez, a questão mais desafiante e mais desconhecida para os donos de animais de companhia. Na realidade os planos de vacinação atualmente estão longe de ser standartizados, ou seja está recomendado pela OMS que as vacinas que um animal recebe esteja adaptadas à sua espécie, raça, idade, estilo de vida, habitat e "agregado familiar", tornando o acto da vacinação uma ação direcionada e personalizada que permite contornar perigos evitáveis, tornando mais feliz e duradoura a vida em conjunto com os nossos fiéis amigos.

Isa Calado, médica veterinária no HVBA

Publicado no jornal "Diário do Alentejo" na rubrica Veterinários sem segredos